Sons Of Apollo – 14-04-2018 – São Paulo (Tropical Butantã)

Texto por Thiago Verpa – Fotos por Leandro Almeida (Rock Brigade) – Edição por André Luiz

Na noite de sábado, 14, o supergrupo Sons Of Apollo agraciou os paulistas com um show poderoso e virtuoso. Contando com Jeff Scott Soto (vocal, ex-Yngwie Malmsteen, ex-Talisman, ex-Journey), Billy Sheehan (baixo, Mr.Big), Mike Portnoy (bateria, ex-Dream Theater, The Winery Dogs), Derek Sherinian (teclados, ex-Dream Theater, Black Country Communion), Ron “Bumblefoot” Thal (guitarra, ex-Guns N’ Roses), a banda executou músicas do seu álbum de lançamento, ‘Psychotic Symphony’, além de alguns covers e solos individuais.

A abertura ficou por conta da República, que executou músicas de seu último disco, ‘Brutal & Beautiful’, outras que serão lançadas futuramente e um inusitado cover para “Head Like A Hole” do Nine Inch Nails. Formada por Leo Beling (vocal), LF Vieira (guitarra), Jorge Marinhas (guitarra), Marco Vieira (baixo), Mike Maeda (bateria), a banda fez um show competente e deu o sangue para esquentar o público antes da atração principal.

Set List Republica:
Black Wings
Death For Life
Endless Pain
Head Like A Hole
Stand Your Ground
Beautiful Lie
Tears Will Shine
The Maze
Broken
El Diablo

Exatamente às 22h29m, as luzes do Tropical Butantã se apagaram e a introdução de “Pretty Woman”, do Van Halen, ecoou nos PAs. Sem perder tempo, o Sons Of Apollo entrou com a pesada e cadenciada “God Of The Sun”. Mike, Billy, Jeff, Derek e Ron fizeram todos cantarem e pularem. “Signs Of The Time”, um dos singles do disco de estreia, manteve o ritmo e agitou ainda mais o público. Após “Divine Addiction”, a banda executou o primeiro cover da noite, “Just Let Me Breathe”, do Dream Theater, música do álbum ‘Falling Into Infinity’, gravada por Mike e Derek, quando ambos faziam parte da banda.

Jeff Scott Soto é praticamente brasileiro. Fã da bebida “caipiroska” e presença constante no país com suas bandas e shows solo, o vocalista estava muito confortável diante do público. Mandou até um “Vira, vira, virou!” antes de dar um gole na bebida que segurava. Portnoy exaltou o companheiro de grupo, compartilhando sobre quando a banda solo de Jeff abriu um show do The Winery Dogs em São Paulo. “Eu estava no camarim vendo ele cantar. Naquele momento, tive a certeza de que ele deveria ser o vocalista desse novo projeto”. Em seguida, a banda tocou “Labyrinth” e o monstro do baixo, Billy Sheehan, fez o primeiro solo da noite, com um enorme baixo de dois braços. Muitos acham que solos durante o show acabam sendo tediosos, mas Billy é um mestre nessa arte, demonstrando maestria, feeling e velocidade, sem cair na mesmice de milhões de notas por segundo.

Após “Lost In Oblivion”, veio um dos pontos altos da noite (em minha humilde opinião). Jeff Scott Soto fez uma espécie de “solo vocal”. Utilizando alguns efeitos, cantou, a capella, “The Prophet’s Song” (Queen). O resultado foi incrível. Agora, com Bumblefoot ao seu lado, executou “Save Me” (também do Queen) e dedicou a música ao amigo Joe Lynn Turner (vocalista de bandas como Rainbow e Yngwie Malmsteen), que sofreu um infarto na última semana e encontra-se em recuperação. Destaque para Bumblefoot, que em diversos momentos do show dividiu os vocais com Jeff e mostrou ter uma voz afinadíssima e forte. Com a banda toda de volta ao palco, foi a vez de “Alive” ser tocada, seguida por uma espécie de jam, liderada por Bumblefoot, utilizando o tema da Pantera Cor-de-Rosa como base (algo que o guitarrista já tocava na época em que fazia parte do Guns N’ Roses).

Seguindo com “Opus Maximus”, um solo de teclado de Derek Sherinian e “Lines In The Sand” (do Dream Theater), a banda saiu brevemente do palco e fez algo inusitado. Voltaram ao palco sem Jeff. “Cadê o Jeff? Ele está no bar?”. A resposta veio com um “Sim, estou!”, e lá estava Jeff, no meio do público, pegando uma bebida. Todos ao redor pareciam incrédulos, alguns começaram a se aproximar e tentar uma selfie com o vocalista. E foi assim que a banda tocou “And The Cradle Will Rock” (do Van Halen), com Jeff caminhando entre o público com um copo na mão. Não houve caos, o público foi bem cooperativo e abriu caminho para ele retornar ao palco sem problema algum.

A noite terminou com “Coming Home” e selou o primeiro show do Sons Of Apollo em São Paulo com chave de ouro. Memorável. Agradecimentos à Top Link e à Rádio Corsário pelo credenciamento de nossa equipe na cobertura do evento.

Set List Sons Of Apollo:
God Of The Sun
Signs Of The Time
Divine Addiction
Just Let Me Breathe (Dream Theater cover)
Labyrinth
Bass Solo (Billy Sheehan)
Lost In Oblivion
The Prophet’s Song / Save Me (Queen cover)
Alive
The Pink Panther Theme (Henry Mancini cover)
Opus Maximus
Keyboard Solo (Derek Sherinian)
Lines In The Sand (Dream Theater cover)

And The Cradle Will Rock… (Van Halen cover)
Coming Home

(Visited 161 times, 1 visits today)