Living Colour – 11-05-2018 – São Paulo (Tropical Butantã)

Texto por Thiago Verpa – Fotos por Bárbara Martins (https://www.facebook.com/barbaramartinsphotography/) – Edição por André Luiz

Cinco anos após seu último show em São Paulo, os norte-americanos do Living Colour, formado por Vernon Reid (guitarra), Corey Glover (vocal), Doug Wimbish (baixo) e Will Calhoun (bateria) retornaram à cidade no Tropical Butantã para realizar o único show da banda no país, divulgando seu trabalho mais recente, o disco ‘Shade’.

Com uma pontualidade invejável, as luzes da casa se apagaram as 22h e os PA’s começaram a tocar “Running With The Devil”, do Van Halen, para aquecer o público que já lotava a casa. Com a música quase no fim, um sorridente Vernon Reid entrou no palco e os presentes foram ao delírio. Seus companheiros o seguiram e, logo, estavam prontos para a primeira música da noite, uma versão pesada de “Preachin’ Blues”, de Robert Johnson, seguida por “Middle Man”, durante a qual Corey Glover se arriscou e cantou sentado em uma pilha de cases localizada na frente do palco. Os cases balançaram e ele quase perdeu o equilíbrio, mas tudo correu bem e Doug o ajudou a sair de lá ao fim da música.

A noite seguiu com “Freedom Of Expression”, a maravilhosa “Funny Vibe” e “Wall”, na qual os integrantes fizeram uma crítica ao suposto muro que o presidente norte-americano Donald Trump prometeu construir na fronteira EUA/México e ao momento de intolerância que o mundo está vivendo.

Em “Memories Can’t Wait”, cover do Talking Heads, Vernon teve problemas com seu equipamento no meio da música, o que forçou a banda a fazer uma pequena “jam” enquanto ele e seu técnico de guitarra tentavam corrigir o problema. “Foi aterrorizante”, brincou Vernon ao terminar a música. Falando em equipamento, vale destacar que cada integrante, exceto por Corey, tem uma pequena “estação” com um computador, inúmeros pedais e instrumentos variados no palco, para dar um “tempero” extra ao som da banda ao vivo. Tudo isso impressiona, mas, mesmo que não houvessem tais aparatos, a banda continuaria matadora e coesa, principalmente com a “cozinha” de Doug e Will, algo pouco visto. Corey Glover não precisa de nenhum dispositivo tecnológico para mostrar que sua voz, aos 53 anos de idade, continua impecável e precisa, sem sinais de desgaste ou perda de vigor.

O show continuou com músicas como “Ignorance Is Bliss”, “Who Shot Ya?” (cover do rapper norte-americano Notorious B.I.G.), uma versão emocionante de “Open Letter (To A Landlord)” com Corey demonstrando toda a sua potência vocal, “Swirl” (um incrível solo de baixo de Doug Wimbish), “Glamour Boys”, o clássico absoluto da banda “Cult Of Personality” e outros hits da carreira da banda. Após “Time’s Up”, que contou com um trecho de “Get Up (I Feel Like Being A) Sex Machine”, de James Brown, foi a vez de Will Callhoun fazer um solo o qual misturou bateria tradicional/eletrônica e baquetas de neon brilhando com todas as luzes do palco apagadas.

O show terminou com um cover de “Rock and Roll”, do Led Zeppelin, e um trecho de “What’s Your Favorite Color”, encerrando uma noite incrível e inesquecível para todos os fãs que lotavam o Tropical Butantã, demonstrando que mesmo com mais de três décadas de carreira, a trajetória do Living Colour está longe de se encerrar. Agradecimentos à Rádio & TV Corsário e The Ultimate Music.

Set List Living Colour:
Preachin’ Blues (Robert Johnson cover)
Middle Man
Desperate People
Freedom Of Expression (F.O.X.)
Funny Vibe
Wall
Memories Can’t Wait (Talking Heads cover)
Ignorance Is Bliss
Who Shot Ya? (The Notorious B.I.G. cover)
Open Letter (To A Landlord)
Swirl (Doug Wimbish solo)
Glamour Boys
Who’s That
Love Rears Its Ugly Head
Type
Cult Of Personality
Time’s Up
Get Up (I Feel Like Being a) Sex Machine (James Brown cover)
Drum Solo
Rock and Roll (Led Zeppelin cover)
What’s Your Favorite Color? (Theme Song)

(Visited 112 times, 1 visits today)